Publicado em

Pitanga

É uma dicotiledônea da família Myrtaceae.

Sim.

E brotou repentinamente em minha vida, e ofereceu-me compartilhar de um fruto selvagem e incontrolável que é o amor.

Belíssima, na alvura, nas sinuosidades, na perspicácia, na pureza da alma.

De uma meiguidão absurda, com ternura e maciez e muito de mocoseamento.

O nome vem do Tupi, e quer dizer vermelho.

Remete a paixão, o sangue, a sensualidade: o irresistível calor do fogo, intensidade dos amores mais loucos.

E a placidez rubra de um por do sol, de cabelos vermelhos, suaves, acariciando minhas mãos.

Om Nom, diríamos. Porque é bom.

Não percebi que me prostraria assim, tão feliz,

e que me arrebataria assim.

Até me peguei pensando que estaria velho pra essas coisas de amar.

Me peguei pensando que poderia perder ela,

Que percebi muito tarde esse crescendo de amor -senti medo.

De ter sido tolo e não ser sensível para mergulhar nesse imenso bouquet de aromas e sabores.

Era ela quem deu cor à minha vida. Sentido, Vontade, devoção.

Foi porque seu sabor me tocou nos lábios.

Cálido. Acetinado. Cítrico.

E não sabia que iria querer tanto, e mais e mais.

Dizem que répteis tem sangue frio, e não amam.

Pois eu digo que não há outro cérebro que não o reptiliano que é capaz de amar.

Sobre Juan

" If you do not enter the tiger's cave, you will not catch its cub."

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s